... na beira da estrada, tá bichada ou tem marimbondo no pé!!!

domingo, 24 de agosto de 2008

Arrasa na hipocrisia...

Ontem foi aniversário de uma tia minha e rolou uma festinha. Na verdade nem sei se o niver dela foi ontem mesmo, só sei que a festa foi ontem e eu estava lá. Aí, sabe como é, né... tem sempre um babaca pra falar uma merda qualquer e te irritar. Fico impressionada com a cara-de-pau de algumas pessoas, e não falo das pessoas que dizem o que pensam não, falo é dos hipócritas mesmo. Na verdade gosto de gente que fala o que pensa, me sinto melhor do lado de gente assim do que do lado de gente que se esconde e depois faz fofoquinha por trás. Aí quando você vê, já virou assunto da língua venenosa dos outros e nem sabe. Ou pior: todo mundo te odeia e não fala, aí você fica crente, crente que está por cima da carne-seca e não está. Vira motivo de chacota sem perceber. Odeio isso. Prefiro que chegue logo na minha cara e diga: “não gosto de você, sai daqui”. Pronto, simples como a água. E nem fico com raiva, não gosta, não gosta. Paciência. Ontem na festa um tio meu veio com um papo-caô pra cima da gente. Na verdade, ele é o rei do papo-caô. Adora pagar do que não é e está sempre se fazendo de foda. Gosto dele, mas que o cara é um fazido, ah isso é. O caso é que na família, um quer a caveira do outro. Eu mesma não falo com mais da metade e tem gente que, se vir na rua, nem reconheço. Se reconhecer finjo que não vi. Aí me vem esse tio e diz um monte de coisas sobre a importância que a família tem pra ele e blá, blá, blá... Que a família é a coisa mais importante pra ele e tal. Até parece. O cara fica falando da importância de pai e mãe e me critica porque eu não me dou com a minha mãe (todo mundo sabe disso), só que eu não vejo a prática desse discurso no dia-a-dia dele. E pior: ele tem uma filha e um neto e não está nem aí pra nenhum dos dois. A garota cresceu sem a presença tãããão importante do pai e sentia falta disso que eu lembro. Éramos crianças e ela falava disso, que não tinha pai, que ele não ligava pra ela. E ainda tem mais: ele era casado com uma mulher que tinha uma filha, dava de tudo pra filha da mulher, a garota dizia por aí que ele era pai dela e, para filha dele mesmo, ele cagava e andava. E agora vem com essa de “importância da família”? Ah, vai à merda! Se eu fosse filha dele processaria por abandono. Aí ontem na festa ele veio com esse texto pra cima de mim. Mandei logo um “foda-se” muito bem mandado e disse que ele não tinha o direito de me julgar, pois não está na minha pele e não sabe da minha vida. Pronto, belo cala-a-boca. Tem gente que não se manca. A pessoa tá na merda, não consegue nem cuidar da própria vida, mas quer se meter na vida dos outros. Vê se pode: o cara não tá nem aí pra a filha e pro neto e quer se meter nas relações de parentesco dos outros. As pessoas têm é que olhar para o próprio rabo primeiro, isso sim. É muito fácil falar quando se está de fora, quero ver sentir na pele. Tá cheio de gente assim por aí. É gente fodida querendo mandar na boa vida alheia, é gente mal-amada querendo mandar no coração dos outros, é gente com fé que vive na merda mas se acha no direito de falar de quem não acredita em nada mas está super bem assim, é gente desempregada querendo dar palpite na carreira de quem tem uma carreira. Pelo menos eu tenho, e você que pra ser pobre ainda tem que melhorar muito? Ah, eu hein! Tô de saco cheio disso. Tem muita gente invejosa por aí, foi por isso que decidi não abrir minha vida pra mais ninguém. Não quero me aborrecer e muito menos quero que o olho-gordo de certas pessoas seque minha pimenteira. Em vez de sugar os outros, essas pessoas deveriam canalizar essa energia para um outro lado e melhorar a própria vida, assim não teriam motivo para inveja e todo mundo seria feliz. Bem, é isso. Beijos e até a próxima.

2 comentários:

Bianca disse...

Só podia ser coisa dakele fracassado de merda......ahahahahahah....a hipocrisia arrasa né?
Só podia ser coisa dessa familiazinha de bosta.......nessas horas eu fico feliz por cortar eternamente os laços ...auhauahuahauh

arrasa!

Amanda disse...

Adorei! Sempre tem um tio-caô! E é um saco essa coisa d obrigações familiares... Afinal, é aquilo: família a gente não escolhe, né?